Sê | 100 Citações de Ramana Maharshi





"A Sabedoria Espiritual de Sri Ramana Maharshi está a guiar milhões de pessoas" - O Dalai Lama 




Bhagavan Sri Ramana Maharshi (30 de dezembro de 1879 - 14 de abril de 1950), Mestre de Advaita Vedanta e homem santo do sul da Índia. Considerado um dos maiores sábios de todos os tempos, tornou-se conhecido no Ocidente especialmente através do livro "A Índia Secreta", do jornalista e escritor inglês Paul Brunton, que retratou os ensinamentos de Ramana, transmitidos, na maioria das vezes, em silêncio absoluto aos seus discípulos. Sri Ramana Maharshi foi um contemplativo e um gnóstico nato, o mais extraordinário fenómeno espiritual dos muitos que a Índia eterna produziu no século XX.


100 CITAÇÕES DE RAMANA MAHARSHI


1)
Conhecer a Verdade do próprio Ser como sendo a única Realidade, fundir-se e tornar-se Um com essa mesma Realidade, é a única verdadeira Realização.

2) A mente nada mais é do que o pensamento-"eu" (ego). Os pensamentos surgem por causa do pensador (o sujeito). O pensador é o ego, que, se investigado, automaticamente desaparecerá.

3) Sem Consciência, o tempo e o espaço não existem; eles aparecem na Consciência, mas não têm realidade própria.

4) Somente a Consciência Absoluta é a nossa Natureza Real.

5) A Graça está dentro de você. A Graça é você mesmo. A Graça não é algo a ser adquirido a partir dos outros. Se é algo externo, é inútil. Tudo aquilo que é necessário saber é que a sua existência está em você. Você nunca está fora da sua operação.

6) A mente não pode buscar a própria mente. Você ignora aquilo que é Real e agarra-se àquilo que é irreal, então, tente descobrir aquilo que você é. Você acha que é a mente, e, portanto, pergunta como ela deve ser controlada? Se a mente existe, ela pode ser controlada, mas ela não existe (não é uma entidade, é somente um conjunto de pensamentos). Entenda esta verdade pela autoinvestigação.

7) A Realidade deve ser sempre Real. Ela não tem nomes ou formas, mas é ela que constitui a base das formas e nomes. Ela está dando base a todas as limitações, sendo ela própria ilimitada. Não é limitada de forma nenhuma. Ela dá base às irrealidades, sendo ela própria Real. Ela é aquilo que é. Ela é como é.

8) O eterno não nasce nem morre. Nós confundimos a aparência com a Realidade. A aparência transporta o seu próprio final em si mesma. O que é que lhe aparecerá, de novo? Se você não puder encontrar nada de novo, entregue-se sem reservas ao Substrato de todas as aparências. Então, a Realidade será aquilo que permanecer.

9) A Realidade é simplesmente a perda do ego. Destrua o ego buscando a sua verdadeira identidade. Como o ego não tem existência (sendo apenas mais um pensamento), ele desaparecerá automaticamente (quando você está quieto) e a Realidade (Consciência) brilhará por si mesma, e em toda a sua glória. Este é o método direto. Todos os outros métodos retêm o ego. Nesses caminhos, surgem tantas dúvidas, e a questão eterna continua por ser resolvida. Mas neste método a questão última é a única a ser resolvida, e ela é levantada desde o início.

10) Nem mesmo nenhuma prática espiritual (Sadhana) é necessária para esta busca.

11) Seu dever é ser, e não ser isto ou aquilo.

12) "Eu Sou o que Sou" resume toda a verdade. O único método possível, resumidamente pode ser explicado assim: "Fique quieto".

13) O estado que chamamos de Realização é simplesmente ser você mesmo, sem tentar conhecer mais nada, ou sem se tornar mais nada.

14) Não é de nenhuma ajuda mudar o ambiente ao seu redor. O obstáculo é a mente (a identificação com ela), que deve ser superada, seja em sua própria casa ou numa floresta. Se você pode fazer isso na floresta, por que não pode fazer o mesmo em sua casa? Portanto, por que mudar o ambiente?

15) A causa da sua miséria não está na sua vida, a causa da sua miséria está dentro de você como o ego (as falsas perceções de pessoalidade e de divisão). Você impõe limitações a si mesmo e depois trava uma luta vã para transcendê-las.

16) Que felicidade você pode obter de algo exterior a você mesmo? E, quando você pensa que a  consegue, quanto tempo essa felicidade momentânea vai realmente durar?

17) O corpo é um pensamento. Seja como você realmente é.

18) Não existem estágios na Realização ou graus existentes na Libertação. Não existem níveis de Realidade, existem apenas níveis de experiência para o indivíduo. Se alguma coisa puder ser obtida, e que anteriormente não estava presente, também poderá ser perdida. O Absoluto é eterno, aqui e agora.

19) Não é uma questão de tornar-se, mas de Ser.

20) Permaneça Consciente de si mesmo, e tudo o mais será conhecido.

21) Você vem à existência com um determinado propósito. Esse propósito, será realizado ou não será realizado, se você se considerar ou não se considerar como sendo o ator.

22) Tudo está predeterminado. Mas, a pessoa é sempre livre para não se identificar com o corpo, e não ser afetada pelo prazer e pela dor que estão associados às suas atividades.

23) Descubra quem está sujeito ao livre arbítrio ou à predestinação, e permaneça nesse estado. Então, ambos serão transcendidos. Esse é o único propósito em discutir-se essas questões. Para quem essas questões se apresentam? Descubra isso e fique em paz.

24) A sua Verdadeira Natureza é a do Espírito Infinito. O sentimento de limitação é o trabalho da mente. Quando a mente incessantemente investiga a sua própria natureza, fica claro que não existe tal coisa como a mente. Este é o caminho direto para todos.

25) Se alguém indagar onde é que surge o pensamento-"eu", acabará por descobrir que surge no Coração. Esse é o local da origem da mente.

26) A Graça está sempre presente. Você imagina que é algo que está presente em algum lugar longínquo, no mais elevado céu, bem longe, e tem que descer até você. A Graça está realmente dentro de você, em seu Coração, e no momento em que você funde a sua mente na sua própria Origem ou Fonte, a Graça brota como se uma fonte existisse dentro de você.

27) Você fala como se estivesse aqui, e o Ser estivesse em outro lugar, você terá que ir até ele, e alcançá-lo... mas, na verdade o Eu, o Si, o Ser, está aqui e agora, e você é sempre Isso. Tal como você estar aqui no Ashram e começar a perguntar às pessoas o caminho para o Ashram, depois, queixar-se que cada uma delas está mostrando-lhe um caminho diferente, e depois, ainda perguntar qual delas é que deve seguir.

28) A Consciência do "eu" é o sujeito de todas as nossas ações. Investigar a natureza dessa Consciência e permanecer como Si mesmo é o caminho para entender a nossa verdadeira natureza.

29) Tudo aquilo que é necessário para realizar o Ser é permanecer quieto (silenciar a mente para estar consciente da sua própria consciência). O que pode ser mais fácil que isso?

30) Se você obtiver a Paz do Ser, ela brotará sem qualquer esforço da sua parte. Quando não se é pacífico em si mesmo, como é que é possível partilhar a paz no mundo?

31) A menos que você seja feliz, você não poderá conceder felicidade aos outros. A felicidade nasce da Paz e só pode reinar quando não existe qualquer perturbação. A perturbação é devida aos pensamentos que surgem na mente. Quando a mente está ausente, haverá a Paz perfeita.

32) A Realidade jaz além da mente. Enquanto a mente funcionar, existirá sempre a dualidade (a perceção equivocada e pessoal de divisão). Uma vez que a mente seja transcendida, apenas a Realidade brilhará. Autorrefulgência é o Ser.

33) Satsang significa associação (Sanga) com a Verdade (Sat), que é o Ser (Eu real, Si ou Consciência). Então, para quem é a associação?

34) A Verdade Última é tão simples, não é nada mais do que você estar em seu estado natural original. Realmente é uma grande maravilha (Maya) que, para ensinar uma verdade tão simples, um número tão grande de religiões seja necessário, e tantas disputas devam continuar entre elas, quanto a qual é o ensinamento correto que é ordenado por Deus. Que pena! Apenas seja o Eu, isso é tudo.

35) Porque as pessoas querem algo elaborado e misterioso, tantas religiões passaram a existir. Somente aqueles que são maduros o suficiente podem entender esta matéria na sua nua simplicidade.

36) Não existe passado nem futuro; existe apenas o presente. Ontem era o presente quando você o experienciou, e o amanhã também será o presente quando você o experienciar. Portanto, a experiência ocorre apenas e sempre no presente, e além da experiência, nada fenomenal existe. Até mesmo o presente é uma mera imaginação, pois o senso de tempo é puramente mental.

37) Porque as pessoas amam o mistério e não a Verdade, as religiões as atendem, no entanto, acabam por trazê-las ao Eu, ao Si.

38) Quaisquer que sejam os meios adotados, você deve finalmente retornar ao Eu, então, por que não permanecer no Eu, no Si, no Ser, aqui e agora?

39) Não existe mistério maior do que isto: Você mesmo Ser a Realidade, no entanto, sendo Você mesmo a própria Realidade, ainda procura obter, alcançar a Realidade.

40) Nós pensamos que existe algo que está escondendo a Realidade, e que isso deve ser destruído antes, para que a Verdade possa ser alcançada. Isto é claramente ridículo. Um dia, você rir-se-á de todos os seus próprios esforços. Aquilo que você Realizar, também está aqui presente aqui e agora.

41) Se olharmos para o Eu como sendo o ego, tornamo-nos o ego, se, como a mente, tornarmo-nos a mente, se, como o corpo, tornarmo-nos o corpo. É o pensamento que constrói camadas de muitas maneiras. Não ligue ao ego e às suas atividades, realize apenas a Luz sempre existente por trás dele.

42) O ego é o pensamento-"eu". O verdadeiro e único Eu é o Ser.

43) Nenhum mundo existe durante o sono profundo, é a mente que projeta os mundos do estado de sonho e do estado de vigília. Portanto, são meras ideias (pensamentos) e nada mais.

44) Não é correto falar de Realização, porque, o que é que existe para ser realizado? A Realidade é sempre Real. Tudo aquilo que é necessário é deixar de considerar como sendo Real (eterno) aquilo que é irreal (transitório). Isso é tudo o que precisamos para alcançar a Sabedoria (Jnana).

45) O universo é apenas um objeto criado (imaginado) pela mente e tem a sua existência na própria mente. Não pode ser medido ou considerado como qualquer outro fenómeno que se considere "exterior". Todo este fenómeno universal, é apenas um fenómeno transitório ou passageiro, e não é independente do nosso Ser. Somente o nosso  hábito de perceber este universo como sendo real, e como estando localizado fora de Si mesmo, é responsável por esconder o nosso puro Ser.

46) Quando a Única e Omnipresente Realidade, o Ser, é encontrado, todas as outras coisas irreais desaparecerão (como sendo consideradas reais), permanecendo o conhecimento do Omnipresente Substrato delas, que não é nada mais que o próprio Ser.

47) Renda-se, quando você perceber a sua própria incapacidade, e precisar de um poder maior para ajudá-lo, ou quando quiser investigar a causa da sua própria miséria. O Divino nunca abandona aquele que se rendeu.

48) Identificar-se com o corpo e ainda assim buscar a felicidade é como tentar atravessar um rio nas costas de um jacaré.

49) Na realidade, você é Espírito. O corpo é projetado pela mente, e ela própria, origina-se do Espírito (aparece dentro d'Ele). Se a identificação errada cessar, haverá paz e felicidade permanente e indescritível.

50) Aqueles que realizaram o Ser, que é o terreno e o substrato do destino e do livre arbítrio, estão livres destes.

51) A resposta dada por Sri Ramana à sua mãe, quando ela pediu-lhe para que ele voltasse para casa, juntamente com ela, foi: "O Ordenador controla o destino das almas de acordo com o seu destino (Prarabdha Karma). O que quer que esteja destinado a não acontecer, não acontecerá, faça você o que quiser para que aconteça, e o que quer que esteja destinado a acontecer, acontecerá, faça você o que quiser para evitá-lo. Isso é certo. Portanto, o melhor caminho para você seguir é permanecer em silêncio."

52) O estado real deve acontecer sem esforço. O estado real é permanente. Os esforços são espasmódicos e os seus resultados, também.

53) Quando a sua natureza real é realizada, ela não será inconsistente com as atividades comuns da sua vida.

54) No interior da caverna do Coração, somente a Única Realidade brilha como "Eu-Eu" - pura Consciência, o Ser.

55) O Coração é a única Realidade. A mente é apenas uma fase transitória. Ser, é entrar no próprio Coração.

56) À parte do pensamento, não existe uma entidade independente chamada mundo. No estado de sono profundo, não existem pensamentos e não existe nenhum mundo. No estado de vigília e no estado de sonho, existem pensamentos e também existe um mundo.

57) Assim como uma aranha emite o fio (da teia) para fora de si, e depois, retira-o novamente para dentro de si própria, também a mente projeta o mundo a partir de si própria, e depois, retira-o novamente para dentro de si.

58) O Ser é todo-pervasivo. Portanto, não há nenhuma necessidade particular de aconselhar-vos uma vida de solidão. Permaneça no estado tranquilo, que é total e naturalmente desprovido de pensamentos.

59) Quando o seu ponto de vista tornar-se o ponto de vista da Sabedoria, você realizará o mundo como sendo Deus. A única questão a ser resolvida é a questão perspetiva.

60) O universo existe no interior do Ser. Por isso, o universo é real, mas apenas porque obtém a sua realidade do Ser. Contudo, nós denominamos o universo de irreal, somente para indicarmos as mutações das aparências ou das formas transitórias, ao passo que, denominamos o Ser de real, porque é imutável.

61) Nós vemos apenas o argumento, e não vemos o papel em que ele está escrito. O papel está lá, esteja o argumento escrito nele ou não. Para aqueles que veem (apenas) o argumento como real, você tem que dizer-lhes que o argumento é irreal - uma ilusão - já que repousa sobre o papel, e eles ainda não o perceberam. O sábio olha para o papel e para o argumento como um só.

62) A nossa verdadeira natureza é a Libertação, mas nós imaginamos que estamos limitados. Fazemos esforços extenuantes para tornarmo-nos livres, embora durante o tempo todo estejamos sempre livres.

63) Uma pessoa adormece nesta sala e sonha que foi numa digressão mundial, viajando por vários continentes. Após muitos anos de viagens extenuantes, ela retorna a este país, entra neste mesmo Ashram e caminha pelo corredor. Nesse exato momento, ela acorda e descobre que nem sequer se tinha movido, mas ela estava apenas dormindo. Ela retornou após ter feitos grandes esforços, e finalmente, regressou a este salão, mas ela esteve aqui durante o tempo todo. Se essa pessoa perguntar-me: "Por que, sendo livres, imaginamo-nos presos?" Eu respondo-lhe: "Por que, estando no salão, você imaginou que estava numa digressão mundial, atravessando o deserto e o mar?" Tudo é mente.

64) Com um sorriso, Ramana Maharshi colocou o dedo mindinho sobre o seu olho e disse: "Veja, como este dedo mindinho cobre o olho e impede que o mundo inteiro seja visto. Da mesma forma, essa pequena mente cobre todo o universo e impede que a Realidade seja vista. Veja como ela é poderosa!"

65) Aquilo que é, é o Ser. É todo pervasivo. Nós enchemos a mente com todo o tipo de impressões, e depois dizemos que não há espaço suficiente nela para o Ser. Se todas as ideias e impressões falsas forem removidas e jogadas fora, o que permanece é um sentimento de plenitude, que é o próprio Ser. Então, já não haverá nenhum lugar para nenhum "eu" separado.

66) A meditação no Ser, que é você mesmo, é a maior de todas as meditações. Todas as outras meditações estão contidas nesta. O verdadeiro silêncio é realmente o discurso interminável. Não existe nenhuma forma de alcançá-lo porque está sempre presente. Tudo aquilo que você precisa fazer é remover as coberturas que o ocultam.

67) A rendição significa entregar-se à origem do nosso próprio Ser. No devido tempo, saberemos que a nossa glória está onde nós deixamos de existir.

68) O esquilo de estimação está sempre esperando por uma oportunidade para fugir da gaiola. Ramana observa: "Todos querem sair correndo. Mas, a verdadeira felicidade está no interior e não no exterior."

69) Todos os ensinamentos espirituais têm a intenção de voltar os nossos passos na direção da Fonte Original.

70) O esquecimento da sua natureza real é a sua verdadeira morte, e a recordação da sua natureza real é o seu renascimento. Aquilo que aparece também desaparece, portanto, é impermanente. O Ser nunca aparece nem desaparece e é, portanto, permanente. É a única Realidade.

71) O meio ambiente, o tempo e os objetos, todos existem em mim mesmo. Como eles podem ser independentes de mim? Eles podem mudar, mas Eu permaneço imutável.

72) Não faça nenhum esforço para começar a trabalhar ou para desistir de trabalhar; o seu esforço é a sua própria escravidão. Aquilo que está destinado a acontecer irá acontecer. Deixe isso para o Poder Superior. Você não pode renunciar ou impedir a renúncia como você pretende. O sentimento "eu trabalho" é o obstáculo. Pergunte a si mesmo: "Quem trabalha?" Lembre-se de quem você é. Então, o trabalho já não o limitará, porque tudo irá acontecer automaticamente.

73) A Realização não é nada de novo para ser obtido. Você já é o Ser. Você é o Ser eternamente. Não há um único momento em que o Ser não seja. Está sempre presente, aqui e agora. Se a Realização é algo a ser obtido no futuro, então há uma chance de você voltar a perdê-la. Portanto, isso não pode ser a Libertação, que é eterna (sem princípio, nem fim).

74) A Realização consiste em se livrar da falsa ideia de você ainda não é realizado.

75) Aquilo que é chamado de "mente" é um poder maravilhoso que reside no Ser. Esse poder faz com que todos os pensamentos surjam. Além dos pensamentos, não existe tal coisa como a mente. Portanto, o pensamento é a natureza da mente.

76) A Autoinvestigação conduz diretamente à Autorrealização, removendo todos os obstáculos que fazem você pensar que o Eu ainda não foi realizado. Isso revela a verdade, ou seja, que nem o ego, nem a mente realmente existem, e capacita a própria pessoa a perceber o Ser puro e indiferenciado, que é o Eu ou o Absoluto.

77) O livre-arbítrio e o destino duram enquanto o corpo durar. A Sabedoria transcende ambos, porque o Ser está além de todo o conhecimento e de toda a ignorância.

78) A dor ou o prazer é o resultado das ações passadas e não do presente... eles se alternam entre si. Deve-se tentar sempre permanecer no Ser, e não se ser influenciado pela dor ou pelo prazer que se encontra no Caminho. Aquele que é indiferente à dor ou ao prazer, pode ser feliz.

79) Os pensamentos mudam, mas você não. Os pensamentos são aquilo que causam a sua escravidão, e eles não são exteriores a você, portanto, nenhum remédio exterior precisa ser procurado para a sua própria liberdade.

80) O que importa se a mente está ativa? Isso acontece sempre no substrato do Eu. Habite no Eu, mesmo durante toda a atividade mental.

81) O Eu elimina as todas ilusões do eu (ego), e ainda assim, permanece como Eu - tal é o paradoxo da Autorrealização.

82) Você tem desistido de várias posses. Se, em vez disso, você desistir do "eu" e do "meu" - você desiste de tudo com um único golpe, e perde assim, a própria semente de toda a posse. O desinteresse por tudo aquilo que não seja o Eu, deve ser muito forte para você poder fazer isso. A sua ânsia pela verdade, deve ser igual à de uma pessoa que é mantida debaixo de água, enquanto, tenta subir à superfície da própria água, para poder respirar.

83) Seja aquilo que você é. Aquilo que É, está sempre presente. Mesmo agora, você É.

84) A expectativa de ver e o desejo de obter são o funcionamento normal do ego. Seja você mesmo, e nada mais.

85) Prazer ou dor são apenas aspetos da mente. A nossa natureza essencial é a felicidade. Esquecemo-nos do Ser, e imaginamos o corpo ou a mente como sendo Ser. É essa identidade errada que dá origem à miséria.

86) A felicidade é inerente a todos e não se deve a causas exteriores.

87) Porque você perdeu o seu próprio senso de Ser os pensamentos afligem-no. Você percebe o mundo e as dúvidas surgem, juntamente com a ansiedade sobre o seu próprio futuro. Não adianta solucionar as dúvidas. Se esclarecemos uma dúvida, outra dúvida surge imediatamente, e não haverá fim para as todas as dúvidas emergentes. Todas as dúvidas somente cessarão quando aquele que duvida e a sua fonte forem encontrados. Procure a fonte daquele que duvida, e você descobrirá que ele é realmente inexistente. Quando aquele que duvida desaparecer, as dúvidas também desaparecerão.

88) Investigue a natureza da mente e ela desaparecerá. Por causa do surgimento dos pensamentos você supõe que os próprios pensamentos têm uma origem, e chama essa origem de mente. Quando você investiga para perceber o que é, você acaba por descobrir, que não existe realmente tal coisa como a mente. E quando a mente desaparecer, você realizará a paz eterna.

89) Quando a mente voltada para o interior indaga "Quem sou eu?" e alcança o Coração, o ego desaparece, e o Uno surge por sua própria natureza como "Eu - Eu" (pura Consciência). Não é o ego, é o Todo. É o Ser.

90) O Ser está livre de todas as qualidades. As qualidades boas ou más pertencem apenas à mente. O número um dá origem aos outros números. A verdade não é nem uma nem duas. A Verdade é como é. Dvaita (dualidade) e Advaita (não-dualidade) são apenas termos relativos. Estes ainda são baseados no senso de dualidade. Na realidade não existe nem Dvaita, nem Advaita. Eu sou o que Eu sou, resume a Verdade. Simplesmente Ser.

91) Os pensamentos constituem a mente. Todos os pensamentos dependem do pensamento "eu" (ego). Portanto a mente é o eu (ego).

92) Para aquele que indaga: de onde surge o pensamento-"eu"? a noção de eu (ego) cai. Isto é vicara, autoindagação.

93) Quando a noção de eu (ego) é destruída, a existência plena e ilimitada que é o Eu brilha autoefulgente como Eu, Eu...

94) Os pensamentos limitados e multifacetados desapareceram, aí, brilha no Coração, uma espécie de iluminação sem palavras do "Eu-Eu", que é a consciência pura.

95) Se alguém permanecer quieto sem abandonar essa mesma compreensão, então a egoidade - o senso individual de "eu sou o corpo" será totalmente destruído. E finalmente, o pensamento-"eu", também será extinto como a cânfora que foi consumida pelo fogo. Os grandes sábios e escrituras declaram que somente isso é a Realização.

96) A meditação é a sua verdadeira natureza, neste exato mesmo.

97) Você chama a isso de meditação porque outros pensamentos o distraem. Quando esses mesmos pensamentos são dissipados, você permanece no estado de meditação, livre de pensamentos. Quando a prática se torna firme, a sua própria natureza real revela-se como a verdadeira meditação.

98) Quando a meditação está bem estabelecida, ela não pode ser abandonada. Ela automaticamente continuará, mesmo quando você estiver envolvido em trabalho ou em diversão. E ela também vai persistir durante o sono. A meditação deve tornar-se tão enraizada, de forma que se torne natural numa pessoa.

99) Nascimento e morte pertencem apenas ao corpo. Eles estão sobrepostos no Eu, dando origem à ilusão de que o nascimento e a morte relacionam-se com o Eu. Se alguém morre enquanto ainda está vivo, não é necessário lamentar a morte do próximo. Descubra o Eu imortal, seja imortal e feliz.

100) Por que você se preocupa com a vida e a morte? A imortalidade é a nossa natureza real. O verdadeiro Eu existe aqui e agora. Não há criação nem destruição, nem destino nem livre arbítrio, nem caminho, nem realização. Esta é a verdade final.


Notas:

1. Nestas citações de Ramana Maharshi e também nos seus ensinamentos, as palavras: Ser, Si, Eu (não é o ego) e Consciência apontam todas para a Única e a mesma Realidade

2. Sobre os ensinamentos de Sri Ramana Maharshi:

Sri Ramana Maharshi ensinava que nós já somos o Eu Real, o ilimitado oceano de Ser-Consciência-Beatitude; que a iluminação está sempre presente em todos, agora mesmo, sendo que apenas a nossa ilusão de sermos uma alma individual (jiva), ou um ego, é que obscurece a consciência do nosso verdadeiro estado. Bhagavan apontava, assim, que todo o esforço espiritual é direcionado não para alcançar a Realização – pois esta já está perenemente presente – mas sim para afastar todos os obstáculos à perceção do nosso Ser.

Para Sri Ramana esses obstáculos não são reais ou substanciais, mas sim imaginários, produtos da mente. São meros conceitos, pensamentos. Explicava que todos esses pensamentos provêm de um pensamento raiz, do qual dependem, sendo que tal pensamento central é o ego, ou o que o Maharshi chamava de “pensamento-eu” (aham-vritti). Eliminando-se o ego (ahamkara), toda matriz da ilusão colapsa; o sofrimento e a limitação são banidos da vida irrevogavelmente. Dessa forma, a prática que ele aconselhava era a autoinquirição, a prática de investigar a natureza e a origem desse pensamento-eu, o que é feito direcionando-se toda a nossa atenção para o sentimento interior “eu sou”, o sentimento não-dual de apenas ser.

A ferramenta por ele criada foi a de utilizar a pergunta “quem sou eu?” ou “de onde eu venho?” para trazer a mente de volta à inquirição toda vez que ela se desviasse rumo aos pensamentos ou perceções sensoriais. Com isso, o ego, que sobrevive apenas na dualidade, fica impedido de se conectar com qualquer outro pensamento ou conceito – tais como “eu sou isso”, “eu sou aquilo”, “eu sou assim, e não daquele jeito”, “eu faço isso”, “eu sei aquilo”, etc. – o que o força a retornar para a sua origem, o Eu Real, que é pura Consciência não-dual. Como alternativa a este caminho, Bhagavan ensinava que a entrega completa a Deus, ao Guru, ou ao Eu Real, também tem o mesmo efeito de extinguir o ego. Todas as outras formas de prática espiritual (sadhana), dizia ele, são indiretas, servindo apenas para o amadurecimento do discípulo e purificação da mente, sendo que ao final o buscador deverá cruzar por uma dessas duas portas (auto-inquirição ou a entrega).

À parte disso, o Maharshi enfatizava a importância de estar na presença de um ser realizado, um Guru ou Jnani, uma vez que a energia e presença de um ser assim têm um grande poder de purificar e silenciar a mente daqueles que estão à sua volta e em sintonia com ele. Porém, também ensinava que para todos está disponível a presença do verdadeiro Guru, o Eu Real, que está brilhando no coração de qualquer um, e pode guiar o caminho daqueles que voltam sua face em busca dele.

Bhagavan sempre enfatizava a necessidade de transcender o ego aqui e agora, e por esse motivo raramente adentrava em discussões metafísicas – tais como reencarnação, outros planos de existência, chakras, criação do universo, etc. – e desencorajava interesses espirituais que não estivessem diretamente ligados à experiência do Eu Real. Entretanto, é possível encontrar algumas discussões a respeito, sendo que mesmo nelas a sua forma direta e intensa de direcionar o buscador à perceção da verdade está sempre presente.

Nunca ninguém foi aconselhado pelo mestre a deixar seu trabalho, família ou vida em sociedade e tornar-se um monge ou renunciante. Sri Ramana sustentava que todos os seres humanos têm um destino a cumprir e que, independentemente do estilo de vida que caiba a cada um, todos podem sempre, onde quer que estejam e quaisquer que sejam suas atribuições, voltar-se para dentro em busca da Paz do Ser.

Ramana Maharshi

Fonte das 100 citações de Ramana Maharshi:
http://www.theself.com/sri_ramana.cfm
tradução livre
(As citações 91, 92 e 93 foram retiradas
 do Upadesa Saram de Ramana Maharshi)
Sobre os ensinamentos de Sri Ramana Maharshi:
https://www.advaita.com.br/ramana-maharshi/ensinamentos/

Comentários

Mensagens mais visualizadas dos últimos 7 dias