Orações Lakota, Sioux e Mohawk




"Quando o sangue
nas tuas veias,
regressar ao mar,

e a rocha
nos teus ossos
regressar
ao solo,

talvez então
te lembres
que esta terra 
não te pertence,

és tu quem pertence 
a esta terra"

Provérbio Nativo Americano



BREVE INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DOS ÍNDIOS NORTE-AMERICANOS

Quando Cristóvão Colombo descobriu a América, os povos indígenas eram os senhores da terra. Os antropólogos apontam a existência, em 1492, de 12 milhões de índios no novo continente.

Primitivos, guerreavam entre si, com raras exceções como no caso das Seis Nações, no extremo norte do país, numa vasta região fronteiriça ao Canadá, onde a aliança entre as tribos só foi quebrada na guerra da independência, onde a maioria lutou contra o colonizador inglês.

Apaches, Comanches, Navajos, Dakota, Siox, Soshones, Pawnees, Hunkpapa, Seminoles, Miccosukee e centenas de nações indígenas dominavam um território selvagem e inexplorado, vivendo como seus ancestrais milenares.

Nos últimos 507 anos, o índio americano foi trucidado na genocida marcha da civilização branca, cristã. Mais de 200 povos desapareceram.

Na Califórnia, poucos sobreviveram para contar a história. Foram mais de um milhão de índios mortos entre a independência americana, em 1776, e o fim da Guerra da Secessão, em 1865.

"Somente nas universidades é que a grande maioria dos americanos toma conhecimento de como foi brutal contra o índio o processo colonizador", reconhece Judd Berbier, professora de História da Universidade do Novo México, que fez sua tese de doutorado sobre a política em Minas Gerais durante o império, no Brasil.

Massacres contínuos, marchas forçadas e outras barbáries foram cometidas nos Estados Unidos contra os povos indígenas.

As tribos Seminole e Miccosukke, que viviam nos Estados da Geórgia e Alabama, foram dizimadas e expulsas de suas terras imemoriais. Muitos só conseguiram sobreviver nos pântanos da Flórida, habitados por cobras e jacarés onde hoje está o Parque Nacional dos Everglades em terras que o branco não tinha interesse.

Eles caçaram animais menores e se adaptaram aos recursos de cada região. Por volta do ano 1.500, dois milhões de pessoas viviam ao norte da mesoamérica, falando cerca de 300 línguas. A partir desse diverso mosaico cultural, podemos destacar quatro regiões principais: a Califórnia tinha 500 tribos diferentes, a maioria liderada por um cacique, um chefe tribal e usavam conchas como moedas.

Se dedicavam à produção de nozes e milho. Dois produtos importados revolucionaram a vida do indio: arco e flecha, chegaram no ano 500 anos DC, possivelmente do Ártico. Os cavalos chegaram através dos europeus no século XVIII. Tribos inteiras incorporaram os cavalos ao seu quotidiano.

Entre os povos indígenas mais aguerridos e mais famosos da América do Norte no tempo da colonização inglesa estavam os Sioux, expressão que significa “serpente” e que era usado pelas tribos inimigas para designar um povo que chamava a si mesmo de Dakota. Os Sioux ou Dakotas abrangiam três grandes grupos: os satees, os yanktons e os tetons. Estes últimos, por sua vez, subdividiam-se em diversas tribos das quais se destacaram os oglalas, brulés, hunkpapas, e outras.

Esses grupos viviam no noroeste dos Estados Unidos, nas extensas pradarias cortadas pelas bacias dos rios Mississipi e do Missouri. na região existiam outras tribos como os cheyenne, aliados dos sioux, e inimigos, como a tribo crow.Com relação aos costumes desse povo, podemos afirmar que eles praticavam a agricultura, em especial a do milho, mas a sua sobrevivência dependia principalmente da caça ao bisão. Para abater as manadas que cortavam as planícies americanas, os sioux mobilizavam aldeias inteiras.

Tudo do animal era aproveitado: a carne era consumida pelas tribos, os ossos e os chifres eram utilizados para a fabricação de instrumentos diários e de armas, e com o couro confecionavam roupas, utensílios domésticos e tendas.

Sem nenhuma dúvida, podemos dividir a existência dos índios norte-americanos em duas fases: antes e depois de conseguirem os cavalos. Estes animais haviam sido introduzidos na América do norte pelos espanhóis que haviam conquistado o México. Os animais se espalharam pelo continente e fizeram com que os indígenas tivessem uma mobilidade que não conheciam antes. Graças a eles puderam acompanhar as migrações dos rebanhos e a fome nunca mais foi preocupação.

A cultura da tribo também modificou e, assim, várias horas que antes eram destinadas à caça foi reservada às orações, rituais religiosos e mágicos.

Entre as cerimónias importantes dos sioux estava a chamada Dança do Sol, na qual os participantes usando afiadas estacas cravadas na pele, presas por tiras de couro a um poste de madeira, em torno do qual dançavam horas a fio, expostos ao sol. Só paravam de dançar quando a pele se rompia e eles recebiam a visão dos espíritos.

A situação dos nativos americanos, como são conhecidos nos Estados Unidos, é de luta, pobreza e discriminação. Tribos como a dos Oglala-Lakota ocupam hoje uma das maiores reservas indígenas dos Estados Unidos - Pine Ridge, com 270 mil hectares, numa área vizinha ao Parque Nacional Bad Lands, que os índios até hoje reivindicam do governo americano como suas terras imemoriais.

Em Pine Ridge, com pouco mais de 22 mil habitantes, os tempos são outros. O desemprego atinge 90% da população. As manadas de bisonte - principal fonte de alimento dos índios, por séculos - praticamente desapareceram. As poucas existentes estão na mão de fazendeiros privados.

Os Sioux têm recusado sistematicamente receber indemnizações em dinheiro do governo dos Estados Unidos por suas antigas terras, principalmente as que hoje integram o Parque Nacional Bad Lands e a Floresta Nacional Black Hills, dois pontos de maior visitação do Dakota do Sul, que anualmente recebe 1,2 milhão de turistas.

Os índios exibem uma série de tratados assinados no século passado com os brancos, intermediados pelo exército, que nunca foram cumpridos. "Nossas terras até o tratado de 1860 ocupavam áreas de quatro estados americanos, mas fomos sendo espoliados a cada novo tratado assinado" - afirma Daphne Richards Cook, uma espécie de ministra do Turismo dos Sioux-Oglala da reserva Pine Ridge.

Emily Bull Bear, descendente de Sitt Bull (Touro Sentado), outro chefe indígena que virou lenda nos Estados Unidos, dedica-se atualmente a tentar preservar a cultura de seus ascentrais, pilotando um surrado computador Pentium, onde controla das datas sagradas, onde os Sioux até hoje realizam seus rituais e culto a seus deuses. "Nosso sonho ainda não acabou" - diz Emily, acredita que, no futuro, os índios americanos possam recuperar suas terras e reviver suas tradições milenares.

Os Lakota também não esquecem um dos mais bárbaros massacres da história americana.Se vocês quiserem conhecer mais sobre a história dos índios norte-americanos procurem ler um livro maravilhoso, grande sucesso da década de 70 do século XX: Enterrem meu coração na curva do rio, do escritor Dee Brown.

“Os homens que o Pai Grande nos mandou não têm sentimentos nem coração”  

A sentença, proferida pelo líder sioux Nuvem Vermelha, define a personalidade do homem branco norte-americano que, na sede por conquistar territórios, dizimou milhões de índios peles-vermelhas que ocupavam o país de dimensões continentais.

Ela está no aclamado livro de Dee Brown, que revela detalhes sobre os mais violentos massacres da história da humanidade.

A partir do relato de chefes e guerreiros de tribos como Cheyenne, Dakota e Sioux, o autor traça o mapa do extermínio que acometeu a América em meados do século XIX. De um lado, soldados protegidos por fortes e armas de fogo.

De outro, uma gente corajosa e disposta a lutar pela preservação da própria cultura e existência. Um povo estabelecido na terra há centenas de anos e que, apesar das diferenças, tinha consciência da própria unidade.

Num esclarecedor relato histórico, Enterrem Meu Coração na Curva do Rio conta a história de nomes como Cabelo Pintado, Chifres Ocos, Lobo Pequeno, Chapéu Branco e Cochise - este último protagonista da uma das passagens mais marcantes do livro.

Quando o General Oliver Howard sugere o confinamento de sua tribo apache numa reserva, ele sabiamente questiona: “Por que me fechar numa reserva?”. E complementa: “Fixem limites e fronteiras, mas nos deixem viajar livremente como os americanos. Deixem-nos ir aonde quisermos”. 

Alguém aí falou em “Terra da Liberdade”?


Nativo Lakota, Pintado por James Ayers 

ORAÇÃO LAKOTA 

Wakan Tanka, Grande Mistério,
ensine-me a confiarem meu coração,
em minha mente,
em minha intuição, 
em minha sabedoria interna,
nos sentidos de meu corpo,
nas bênçãos do meu espírito.
Ensine-me a confiar nestas coisas,
para que possa entrar em meu Espaço Sagrado 
e amar além do meu medo, 
e assim Caminhar com Beleza 
com a passagem de cada Sol glorioso. 


• De acordo com o Povo Nativo, o Espaço Sagrado é o espaço entre a exalação e a inspiração.

• Caminhar com Beleza é ter o Céu (espiritualidade) e a Terra (físico) em Harmonia.


O Chefe Sioux Touro Sentado (1831-1890)

ORAÇÃO DA TRIBO SIOUX


Ó Grande Espírito, cuja voz ouço nos ventos, cujo sopro anima o mundo, ouça-me.

Sou pequeno e fraco, preciso de sua força e sabedoria.

Permita que eu caminhe na Beleza, e faça que meus olhos contemplem para sempre o vermelho e a púrpura do sol poente.

Faça com que minhas mãos respeitem todas as coisas que o Senhor criou.

Faça meus ouvidos aguçados para que eu ouça a sua voz.

Faça-me sábio para que eu possa entender tudo aquilo que o Senhor ensinou ao seu povo.

Permita que eu apreenda os ensinamentos que o Senhor escondeu em cada folha, em cada pedra.

Busco força, não para ser maior do que meu amigo, mas para lutar contra meu maior inimigo – eu mesmo. 

Permita que eu esteja sempre pronto para ir até o Senhor de mãos limpas e olhar firme.

Assim, quando a minha vida estiver no ocaso, como o sol poente, que meu Espírito possa ir à sua presença, sem nenhuma vergonha.


Nativo Mohawk. Arte por Z.S. Liang

PRECE PARA A GRANDE FAMÍLIA

Honrando as nossas Relações

(Antiga oração Mohawk)

A nossa gratidão para a Mãe Terra
que navega segura no dia e na noite
e para o seu rico, raro e doce solo.
Que seja assim nos nossos pensamentos.

A nossa gratidão para as Plantas, 
para as folhas de colorido mutante e para as raízes sinuosas que permanecem quietas no vento e na chuva ou dançam na ondulação espiralada das sementes.
Que seja assim nos nossos pensamentos.

Gratidão para o Ar que sustenta a suave andorinha
e a silenciosa coruja ao amanhecer de um novo dia,
como o sopro das canções e a brisa do claro espírito.
Que seja assim nos nossos pensamentos.

A nossa gratidão para os seres selvagens que são também nossos irmãos,
que nos ensinam os mistérios e os caminhos da liberdade e compartilham connosco de suas vidas, com coragem e beleza.
Que seja assim nos nossos pensamentos.

A nossa gratidão para a Água das nuvens, dos lagos,
dos rios e das geleiras, cristalizada ou liquefeita,
fluindo alegre através de nossos corpos as suas marés salgadas.
Que seja assim nos nossos pensamentos.

A nossa gratidão para o Sol que nos acorda ao amanhecer, 
luz que pode cegar, brilho que pulsa através dos troncos das árvores, clareia as neblinas e tremeluz nas grutas quentes onde dormem os ursos e as serpentes. 
Que seja assim nos nossos pensamentos.

A nossa gratidão ao Grande Céu que guarda em si bilhões de estrelas e que vai além de todos os pensamentos e poderes e, no entanto, faz parte de nós.
Avó Espaço, a Mente é a sua companheira.
Que seja assim nos nossos pensamentos.


Música relaxante 
Espírito dos Índios Americanos

https://www.youtube.com/watch?v=3NxRrjkKiD8


Origem da história e das orações:
https://docslide.com.br/documents/cultura-indios-norte-americanos-codigo-oracoes-historiapdf.html

Comentários

Mensagens mais visualizadas dos últimos 7 dias